Novidades
Previous
Next

As inteligências múltiplas 

A teoria de Howard Gardner é uma alternativa para o conceito de inteligência como uma capacidade inata, geral e única, que permite aos indivíduos uma performance, maior ou menor, em qualquer área de atuação 

Quem já se sentiu “menos inteligente” ao não entender, ou dominar, um conceito ou um assunto, aparentemente, fácil? Quando você conhecer a teoria das Inteligências Múltiplas, com certeza sua opinião irá mudar. 

Culturalmente quando pensamos em inteligência fazemos uma conexão direta com conceitos básicos como o QI. O problema destes conceitos é que são baseados em cálculos de desempenho em testes, e nem sempre os testes oferecem o tipo de desafio que você está preparado a enfrentar. 

Os pesquisadores de Harvard pensam diferente. No início dos anos 80, um grupo de pesquisadores da área, liderados pelo psicólogo Howard Gardner desenvolveu um estudo que concluiu algo muito diferente do que foi pensado até aquele momento. O objetivo do estudo era analisar como funciona a inteligência humana, com a esperança de conseguir um avanço intelectual em massa com novas abordagens do tema. E chegaram a uma conclusão interessante, a Teoria das Inteligências Múltiplas. 

A ‘Teoria das Inteligências Múltiplas’, de Howard Gardner é uma alternativa para o conceito de inteligência como uma capacidade inata, geral e única, que permite aos indivíduos uma performance, maior ou menor, em qualquer área de atuação. Para Gardner, a inteligência é a capacidade de resolver problemas ou criar produtos que são valorizados em um ou mais ambientes culturais. Para ele, o indivíduo possui pelo menos oito inteligências, em graus variados, com uma combinação própria e única de inteligências. O querer desenvolver-se é fundamental.  

Reflita sobre a frase do escritor Rubens Alves:  

“As inteligências dormem. Inúteis são todas as tentativas de acordá-las por meio da força e das ameaças. As inteligências só entendem os argumentos do desejo: elas são ferramentas e brinquedos do desejo.” 

Vejamos quais são os oito tipos de inteligências: 


1) Inteligência Naturalista 

Capacidade de se relacionar com o meio ambiente e o cosmo. Pessoas com esta inteligência desenvolvida sentem-se confortáveis com os elementos da natureza, possuem bom entendimento de funções biológicas e se interessam em questões como a origem do universo, evolução da vida e preservação da saúde. 

2) Inteligência Visual ou Espacial 

Capacidade para perceber o mundo visual e espacial de forma precisa. É a habilidade para manipular formas ou objetos mentalmente e, a partir das percepções iniciais, criar tensão, equilíbrio e composição, numa representação visual ou espacial. É a inteligência dos artistas plásticos, dos engenheiros e dos arquitetos. 

3) Inteligência Interpessoal 

Esta inteligência pode ser descrita como uma habilidade para entender e responder adequadamente a humores, temperamentos, motivações e desejos de outras pessoas. Ela é mais bem apreciada na observação de psicoterapeutas, professores, políticos e vendedores bem-sucedidos. 

4) Inteligência Intrapessoal 

Habilidade para ter acesso aos próprios sentimentos, sonhos e ideias, para discriminá-los e lançar mão deles na solução de problemas pessoais. É o reconhecimento de habilidades, necessidades, desejos e inteligências, a capacidade para formular uma imagem precisa de si mesmo e a habilidade para usar essa imagem para funcionar de forma efetiva. Como esta inteligência é a mais pessoal de todas, ela só é observável através dos sistemas simbólicos das outras inteligências, ou seja, através de manifestações linguísticas, musicais ou sinestésicas. 

5) Inteligência Corporal ou Sinestésica 

Habilidade para resolver problemas ou criar produtos através do uso de parte ou de todo o corpo. É a habilidade para usar a coordenação grossa ou fina em esportes, artes cênicas ou plásticas no controle dos movimentos do corpo e na manipulação de objetos com destreza. 

6) Inteligência Rítmica ou Musical 

Manifesta-se através de uma habilidade para apreciar, compor ou reproduzir uma peça musical. Inclui discriminação de sons, habilidade para perceber temas musicais, sensibilidade para ritmos, texturas e timbre, e habilidade para produzir e/ou reproduzir música. 

7) Inteligência Verbal ou Linguística 

Sensibilidade para os sons, ritmos e significados das palavras, além de uma especial percepção das diferentes funções da linguagem. É a habilidade para usar a linguagem para convencer, agradar, estimular ou transmitir ideias. Gardner indica que é a habilidade exibida na sua maior intensidade pelos poetas.

8) Inteligência Lógica ou Matemática 

Sensibilidade para padrões, ordem e sistematização. É a habilidade para explorar relações, categorias e padrões, através da manipulação de objetos ou símbolos, e para experimentar de forma controlada; é a habilidade para lidar com séries de raciocínios, para reconhecer problemas e resolvê-los. É a inteligência característica de matemáticos e cientistas Gardner, porém, explica que, embora o talento científico e matemático possa estar presente num mesmo indivíduo, os motivos que movem as ações dos cientistas e dos matemáticos, não são os mesmos. Enquanto os matemáticos desejam criar um mundo abstrato consistente, os cientistas pretendem explicar a natureza. 

Espero que após você ter o entendimento de que existem diversos tipos de inteligências, possa compreender melhor o seu desenvolvimento e sua dificuldade em lidar com alguns temas. Não se culpe, não culpe o colega, o gestor ou o professor. Talvez você apenas precise “aprender a aprender”, isto é, descobrir qual inteligência você tem mais desenvolvida e a partir disso aprender a colocá-la em ação quando necessário. 

Somos muito mais complexos do que imaginamos e muito mais simples do que percebemos. Faça da sua evolução um vídeo game onde a missão é chegar cada vez mais alto em suas conquistas! 

Artigo escrito por Diogo Monticeli Rocha, que é sócio gerente de expansão da Russell Bedford Brasil. 

Diogo Monticeli Rocha, sócio gerente de expansão da Russell Bedford Brasil (1)
Diogo Monticeli Rocha, sócio gerente de expansão da Russell Bedford Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.